Transporte Aquaviário


Autoridade Portuária de Santos demite 38 funcionários de carreira

Companhia fala que precisa readequar a estrutura da estatal

04/07/2020 17h10

Foto: Rogèrio Soares - G1

A diretoria da Santos Port Authority (SPA), a autoridade portuária de Santos, no litoral de São Paulo, demitiu 38 profissionais nesta sexta-feira (3). Segundo a companhia, a empresa tomou esta decisão em vista da necessidade de readequar a estrutura da Companhia a um novo cenário. O Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport) disse analisa a situação para tomar as medidas jurídicas cabíveis.

De acordo com a nota divulgada pela SPA, os profissionais demitidos representam menos de 4% do total de empregados. A empresa tomou esta decisão em vista de um "novo cenário que envolve a sua desestatização e altos desembolsos que exigirão um esforço de caixa adicional nos próximos anos".

Os principais gastos, segundo a companhia, seriam com o equacionamento do fundo de pensão Portus e com o Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV). O Plano foi lançado no fim de 2019 com o objetivo de promover a saída dos empregados mais antigos com a oferta de uma verba indenizatória, além das verbas rescisórias. Cerca de 500 empregados são considerados elegíveis para adesão ao programa.

Segundo a SPA, a seleção dos funcionários desligados foi feita com base na necessidade de pessoal em cada área, as atribuições exercidas nos últimos meses, o custo mensal desses funcionários, cuja média é superior a R$ 32 mil por mês, e o fato de a maioria dos dispensados encontrar-se aposentada e ser beneficiária do Portus. E, não há previsão de novas demissões.

Sindicato

O Sindaport diz não entender a demissão de empregados sem justa causa por parte da SPA, já que muitos profissionais demitidos tinham um relevante histórico de serviços prestados à empresa.

"Ela (companhia) alega contenção e transformação da empresa. Desses 38 demitidos, 17 são engenheiros de muitos anos de serviço, sendo que dois foram diretores", disse o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos.

Além disso, havia a expectativa de grande adesão ao PDIV. De acordo com o Sindicato, 237 empregados (15% do efetivo da estatal) deixará o cargo até o dia 1º de setembro por conta do PDIV. O Sindaport ainda encaminhou ofício pedindo a reabertura das inscrições para os já elegíveis, bem como para outros que almejam a adesão em questão e que não tinham conseguido aderir ao Plano.

Fonte: G1