Artigo


O legado da quarentena para o consumo

Mauricio Prieto

15/10/2020 15h00

Foto: Divulgação

Foi recentemente divulgada a pesquisa “O legado da quarentena para o consumo”, promovida pelo banco BTG Pactual/Decode. O estudo versa sobre alterações nos hábitos de consumo, tendo em vista a situação de isolamento social, em face da pandemia da Covid-19.

O trabalho pretende entender essas mudanças, relativamente à população brasileira, estudando as alterações no volume nos dados de:

> Buscas no Google: As métricas de buscas no Google são parâmetro para identificar a variação da demanda dos internautas;

> Tráfego de websites: A variação de downloads de apps indica quais empresas e serviços estão sendo mais bem-sucedidos no atendimento da demanda dos internautas;

> Downloads de aplicativos: A comparação entre os fluxos de tráfego em websites é utilizada para observar quais produtos e serviços estão crescendo ou diminuindo devido à crise.

Constatadas as mudanças, foram identificados três grupos de interesse:

– Produtos e serviços em alta;

– Produtos e serviços em baixa;

– Tendências.

A seguir, um resumo das inferências apresentadas no trabalho.

Setores e produtos que apresentaram ALTA durante a quarentena

1. ENTRETENIMENTO: Leitura; Plataforma de vídeos; Streaming de Música; Streaming de Lives; Cinema em casa; Gaming;

2. SAÚDE e suas divisões: Atividades físicas; Cuidados com a pele; Produtos de prevenção contra a Covid-19; Farmácias e remédios/calmantes; Cigarros;

3. ALIMENTAÇÃO e suas divisões: Cozinha; Delivery; Consumo de vinho;

4. HOME OFFICE e suas divisões: Plataformas de “Web Meeting”; Acessórios e equipamentos;

5. CUIDADOS COM A CASA e suas divisões: Fabricantes de tinta; Materiais de reforma e construção;

6. EDUCAÇÃO e suas divisões: Cursos online; Instituições e cursos; Plataformas de e-Learning

7. BELEZA e suas divisões: Beleza masculina; Beleza feminina.

Apresentaram BAIXA durante a quarentena

1. SETOR IMOBILIÁRIO: O mercado imobiliário praticamente parou durante a pandemia no país;

2. SETOR AUTOMOTIVO: O setor automotivo tem sofrido com a pandemia no país. As vendas de automóveis tiveram o pior desempenho em 14 anos;

3. TURISMO: O turismo está sendo um dos setores mais afetados pela crise de Covid-19;

4. MERCADO DE SEGUROS: Com a crise de Covid-19, há expectativa negativa para o setor neste ano;

5. SETOR DE INVESTIMENTOS: O setor de investimentos foi um dos primeiros a sentir a crise de Covid-19 no país. A bolsa de valores despencou e a moeda nacional se desvalorizou.

Tendências e análise comportamental

1. CURSOS ONLINE: Como forma de qualificar o tempo perdido em casa devido ao isolamento social, usuários passaram a se interessar por esta modalidade de ensino;

2. E-COMMERCE DE FARMÁCIAS: Os consumidores deste setor tendem a continuar sendo atraídos por sites de drogarias;

3. PAGAMENTOS SEM CONTATO: Esta é uma funcionalidade que pode se consolidar em meio à tendência por cuidados à prevenção do novo Coronavírus;

4. APPS DE ATIVIDADE FÍSICA: As pessoas os têm utilizado por proporcionar treinos adaptáveis a pequenos espaços;

5. WEB MEETING: A implementação do modelo de home office resultou em um crescimento desse mercado;

6. LOGÍSTICA: Os estabelecimentos que não possuíam sistema de delivery se sentiram obrigados a implementar esse processo;

7. ENTRETENIMENTO VS. EDUCAÇÃO: Tiveram alta no volume de pesquisas tanto “curso online” como “videogame”;

8. SAÚDE:  Pesquisas por “Como aumentar imunidade” apresentou alta, assim como as buscas por “Marlboro”.

Como visto, algumas constatações e tendências se enquadram no que poderíamos chamar de “senso comum”, outras nem tanto. O estudo vale por fazer uma interessante compilação dessas classes. A pesquisa completa você encontra aqui.

Mauricio Prieto – sócio-diretor da Synerhgon, empresa de consultoria multidisciplinar com foco no resultado. [email protected]