Logística

Porto de Santos: Comitê melhora fluxo logístico de cargas química

As ações já resultam na redução do tempo de espera para atracação nos terminais líquidos da Alemoa

23/12/2020 14h38

Foto: Divulgação

As obras no píer São Paulo, da Ilha Barnabé, no Porto de Santos, foram iniciadas no dia 16 de dezembro e o comitê técnico, que tem entre seus integrantes representantes da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) e da Santos Port Authority (SPA), já desenvolveu ações para minimizar os impactos no fluxo logístico de produtos químicos em granéis líquidos.

O comitê, formado em outubro deste ano, realiza reuniões periódicas, nas quais são debatidas e desenvolvidas ações para melhorar a eficiência logística dos terminais destinados a granéis líquidos, como produtos químicos e combustíveis, enquanto são realizadas obras – primeiro no píer São Paulo e depois no Bocaina, ambos na Ilha Barnabé.

O comitê colabora no desenvolvimento de novas propostas para procedimentos de carga e descarga nas pranchas de operação e aplicabilidade dos procedimentos de atracação previstos com total apoio da autoridade portuária. Atualmente, estão em finalização as obras de recuperação do dolfim 10 do ALA1 da Alemoa, importantíssimo para absorver o grande volume de movimentação de combustíveis; foi estabelecida a comunicação prévia das interdições para dragagem e demais manutenções nos berços, além de serem realizadas concomitantemente com outras obras aumentando disponibilidade, primando pelas questões de segurança; aplicabilidade das sanções previstas nas normas de atracação aos que descumprem o novo regulamento, que são um marco na nova administração do Porto.

Essas e outras ações já resultam na redução do tempo de espera para atracação nos terminais líquidos da Alemoa estando em 7 dias atualmente, em média, o que possibilita que mais embarcações possam utilizar os píers da Alemoa e a diminuição dos custos.

As obras na Ilha Barnabé devem ser realizadas em 16 meses, sendo 8 meses em cada berço. A estimativa da SPA, contudo, é de que, com a curva de aprendizado no primeiro berço, além de medidas para aumentar a produtividade, seja possível encurtar o prazo no Bocaina. O comitê trabalha em procedimentos para que seja possível operar com segurança nos períodos noturnos, fins de semana e feriados, concomitantemente com as obras.

“O diálogo aberto e franco entre os usuários do Porto de Santos e demais intervenientes com a autoridade portuária, gera resultados expressivos e avanços inimagináveis no tocante a eficiência, competitividade, segurança, regramento e isonomia, consequentemente beneficiando todo o País com a redução do ‘custo brasil’”, explica o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino.

Para o diretor de Operações da SPA, Marcelo Ribeiro, o entendimento entre usuários e a Autoridade Portuária é um grande benefício para a estrutura e funcionamento do Porto. “Estas obras na Ilha Barnabé são urgentes para garantir o bom funcionamento dos píeres de atracação e evitar danos futuros. Estamos programando os trabalhos de modo a afetar o mínimo possível às operações, e construindo o cronograma sempre a partir da escuta junto aos usuários”, afirma Ribeiro. O diretor ressalta, ainda, que, enquanto as obras ocorrerem, sempre haverá dois berços operando na Ilha.