Gestão Pública

Ritmo de vacinação contra Covid-19 cai pela metade no Brasil

Média de vacinas aplicadas por dia despencou de 995 mil para 429 mil em apenas 2 semanas, uma redução de 57%

13/05/2021 10h42

Foto: Marcelo Camargo - Agência Brasil

O ritmo de vacinação contra a Covid-19 caiu pela metade no Brasil nos últimos 14 dias, e o país foi ultrapassado por Alemanha, Reino Unido, França e Itália no número de doses aplicadas diariamente.

Em meio a uma série de problemas, a média diária de vacinação foi de 995 mil no dia 29 de abril para 429 mil na quarta-feira (12), apontam dados do "Our World in Data", projeto ligado à Universidade de Oxford.

Entre as falhas na vacinação estão o atraso na aplicação da segunda dose da CoronaVac e a demora para a produção de mais vacinas devido à falta de insumos.

Com a redução de 57% em apenas 2 semanas, o Brasil caiu de 4º para 8º país que mais aplica doses de vacina contra a Covid-19 por dia. A China lidera o ranking, com uma média de 9,23 milhões.

Sexto país mais populoso do mundo, com 212 milhões de habitantes, o Brasil foi ultrapassado na vacinação diária por nações europeias que têm muito menos habitantes (a Alemanha tem 83 milhões de habitantes, Reino Unido e França têm 67 milhões cada um e a Itália, 60 milhões).

A média de vacinação diária no Brasil chegou a atingir um pico de 1,14 milhão de doses há exatamente um mês, em 13 de abril, mas o país não conseguiu manter o ritmo.

Foi o único dia em que o país superou a média de 1 milhão de doses aplicadas. Em 13 de abril, foram administradas um recorde de 3,37 milhões de vacinas contra a Covid-19.

Problemas com vacinas

Vários fatores levaram à redução no ritmo de vacinação no Brasil. Um deles é a falta de doses da CoronaVac em diversas capitais e de insumos para ampliar a produção, devido ao atraso na importação do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) da China.

O IFA é um insumo fundamental para a produção de vacinas, e ataques do presidente Jair Bolsonaro e aliados contra a China são apontados como responsáveis pela dificuldade na importação.

Outro motivo é o governo federal ter suspendido na terça-feira (11) a vacinação contra a Covid-19 em grávidas com o imunizante de Oxford/AstraZeneca

Agora, só estão sendo imunizadas as gestantes com comorbidades e apenas com a CoronaVac ou a vacina da Pfizer.

Fonte: G1